quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Dia 87/365

A CAMINHADA

O meu voluntário de hoje foi o jovem empreendedor Júlio Miranda, a prova viva de que é possível emagrecer sem cirurgia, pois conseguiu a façanha de perder nada menos do que CINQÜENTA E CINCO quilinhos - ou seja, emagreceu um ser humano de baixa estatura. A proeza se deu de uma forma tão natural quanto esta minha proposta da Dieta de Rede Social, só na base da caminhada e das boas escolhas na hora das refeições, mas meu novo amigo contou também com uma orientação nutricional. A diferença é que Júlio não recorreu a ninguém para ajuda-lo a caminhar. Ele merece todos os aplausos pela conquista já alcançada, saindo de (pasmem!) 189 kg, para os atuais 134 kg. E não pretende parar por aí. Já que agora conheço alguém que conseguiu, em um ano, emagrecer mais do que a minha meta, fico super confiante em igualar sua performance.
Nossa caminhada contou com a participação especialíssima da voluntária do Dia 78, para nossa alegria. Conversamos sobre vida saudável, projetos de empreendedorismo, provisionamentos para o futuro etc. Aproveitamos para meter o pau nas cirurgias bariátricas, claro. Mhuahahahahaha!
Atividade física concluída com sucesso! Foram 6,3 km em altíssimo astral!!! Valeu demais, Júlio!!!! Você é um grande incentivo para todos nós! Valeu também, Evelina!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje ganhei dos meus acompanhantes um kit básico de produtos pró-saúde, contendo barrinha de cereais proteína à base de açaí, um energético e um shake. Brindamos nossa ótima caminhada com água de coco, no calçadão de Boa Viagem. No almoço, encarei bife grelhado, salada de folhas, repolho roxo, rúcula, alface, tomate, cenoura e maçã, com uma panquequinha (uêpaaaa!!!!) de carne moída para arrematar. Kkkkkkkkk.



 VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...


Foram tantos os pedidos, por e-mail, telefone e sinais de fumaça, que eu não posso me furtar de mostrar para o mundo a imagem do meu amiguinho Anaconda, o cinto, que mereceu ontem um texto inteiro dedicado à nossa convivência. Ei-lo:


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Dia 86/365

A CAMINHADA

A desvantagem de caminhar seguidamente em um local muito populoso como o Parque da Jaqueira é somente a de correr o risco de pisar em rastro de corno - fatalidade que vem acompanhada por uma maré de azar momentânea. Para o feitiço do rastro de corno pegar, é preciso ter pisado em até 6,66 segundos depois da passada do chifrado. E assim, levei bolo pelo segundo dia consecutivo, esperando pela agendada de nome Andreza Carvalho que sumiu, desapareceu e escafedeu-se. Depois de esperá-la por meia hora no lugar incerto em que ela não detalhou no agendamento, parti para uma nova volta olímpica, ou melhor, cinco, até encontrar uma nova voluntária-estepe: Moema Luna, jornalista (uêpaa) e aquariana (uêpaaaa!!!!!), figuraça de conversa agradável e entonação vocal que passa uma tranqüilidade à minha alma. Pois é, a caminhada que teve o mesmo desjejum das anteriores (banana-prata), no mesmo local, mas que agregou um relaxamento emocional que valeu pelas minhas férias. Projetei meus pensamentos à Chapada Diamantina, visualizando minha voluntaria fazendo rapel sem equipamento, apreciando um pôr-do-sol espetacular, depois de um banho de cachoeira. E assim, quando dei conta já tinha caminhado mais de 5 km com a voluntária.
Atividade física concluída com sucesso! 5 km sozinho + 5 km com a voluntária-estepe de hoje, totalizando nada menos que 10,77 km!!! Mas, muita calma nessa hora!  Eu só faço essas proezas quando algum agendado farrapa comigo. E por favor não tornem essas fatalidades um hábito (já estou ficando com medo). Portanto, fica a dica para os agendados do futuro: memorizem seu compromisso ou, no mínimo, mantenham celulares e emails ativos.




COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Em verdade vos digo que, afora a banana habitual, quebrei a rotina e "entregay-me" ao sanduba de Frango, naturalmente. Kkkkkkkkkkk

VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Hoje eu planejei apresentar-lhes o meu amiguinho ANACONDA, parceiro de quase uma vida, que tenho como "acessório" indispensável desde que desabrochei (uêpaaaa!!!!!) para a adolescência. Ele ganhou esse apelido por sua semelhança com uma cobra de tamanho descomunal, só que feita de couro. Temos uma relação de amor e ódio, geralmente associada ao seu tamanho (ora grande, ora pequeno).E agora me lembrei de uma marchinha de carnaval dos anos 1980's: Nao é nada disso que você está pensando, é do cinturão que estou falando. MHUAHAHAHAHAHAAAA!!!!!! Pois é, justiça seja feita ao meu amiguinho Anaconda, pois ele fora essencial para dar uma força para que eu não perdesse as calças. Comprei o cinto a um vendedor ambulante que cruzou o meu caminho. Feito provavelmente de uma tira de couro de um boi inteiro, está comigo desde 1993. Há mais tempo que minha mulher!  Kkkkkkkkkkkk. Mas aviso logo publicamente: se ela der sumiço no cinto, como fez com minha burrinha de Bezerros(PE), é divórcio certo!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Dia 85/365

A CAMINHADA

Eis que registramos mais uma farrapada neste projeto de caminhada colaborativa. A agendada Carol Vergolino, popularmente conhecida no meio jornalístico como Carol Bolinho, fez jus ao vulgo e me deu um bolinho básico. Tentei o contato telefônico e facebuquiano, mas não obtive resposta. Assim, quis o destino que eu encontrasse DUAS voluntárias-estepes para suprir a minha carência!
Mal dei alguns passos no contra-fluxo do Parque da Jaqueira e dei de cara com a jornalista Carla Seixas, uma das melhores referências que conheço no meio jornalístico, por seu caráter e competência. Babações à parte, Carlinha e eu trocamos altas figurinhas sobre figurões. Aproveitei para saciar minha fome de informação sobre os mitos do trabalho de jornalista de primeiríssimo escalão. Eu quis saber se Carlinha andava de helicóptero com a mesma freqüência que eu uso meu carro (infelizmente, não), se ela viajava a trabalho para o exterior (ainda não) e se o estresse da profissão de jornalista também chega na cobertura (sim). Rimos, sonhamos e curtimos a liberação de endorfina com muito pique. Foram 4 km muito prazerosos, mas infelizmente a minha voluntária já  havia caminhado outros 3 km sozinha e estava com o horário estourado.




Ávido para queimar minhas calorias restantes, já que me acostumei a caminhar no mínimo 6 km, segui pelo contra-fluxo quase ensaiando uma corridinha - quando uma transeunte me perguntou à queima-roupa: "Você é Marcus Andrey, da Dieta da Rede Social, né?". Fiz cara de "É", ou melhor, sou. E assim, desenhou-se a possibilidade de agregar uma nova voluntária-relâmpago: Profª Dra. Cristina Teixeira, educadora de nível superior, formadora de... comunicadores! Ela se identificou como "irmã da esposa do voluntário do Dia 42", sem saber que eu conhecia sua irmã há mais tempo do que conheço seu cunhado. E assim, ganhei uma nova BFF (Best Friend Forever), que é consequência natural dessa caminhada. Falamos sobre Educação, concurso, Fundaj, UFPE, salários, carreira, canudo, Cazuza, filhos, vida saudável, ioga, meditação etc. E quando demos conta, havíamos caminhado 5,23 km! Foi muito massa, Dra. Cristina Teixeira.



Atividade física concluída com sucesso!!!! 4 km + 5,23 km = 9,23 km! (Um novo recorde, sinto muito, querida Helena Amaral, Mhuahahahahaha!). Valeu, Carlinha! valeu, Cristina! C's são demais!! Kkkkkkkkkkkkkk.


COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Não posso negar que comer banana faz toda a diferença na minha performance de caminhante profissional. Hoje, ingeri duas e quanto mais eu andava, mais queria andar. E quando botei ali em cima que ensaiei uma corridinha é porque trotei de fato, por uns 300 metros, só para sentir o sangue bombando. Bom demais! Na volta, não me furtei ao prazer de comer inhame amassado com queijo de coalho frito (uêpaaa!). Comigo é assim.



VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Apesar de estar de férias, acabei vestindo novamente a camisa da firma para tentar conversar de igual para igual com a doutora acadêmica que conheci hoje. O pouco que pude escutar dela já a cacifava para concorrer a uma vaga de pesquisadora, através de concurso público na instituição onde trabalho, em um futuro nem tão distante. O fato é que em oito anos de trabalho naquela casa percebi que o caminho para o sucesso é o estudo. Vejo diariamente cabeças super-pensantes em sociologia, antropologia, museologia, história, economia, meio-ambiente etc. Por isso, sempre que me deparo com doutores (com doutorado, hein!), sugiro o concurso para pesquisador. Agora me perguntem se eu estudei - e direi: não o suficiente. E foi assim que eu engordei...





segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Dia 84/365

A CAMINHADA

O que são duas bolinhas verdes caminhando no calçadão de Boa Viagem? Errou quem respondeu "ervilhas francesas de férias no Brasil". Éramos eu e o voluntário da vez: Clinton Freitas, o presidente Bill, odontologista, amante das artes (uêpa), culturas (uêpaa), músicas (uêpaaaa) e gibis (Hen-hein!). Meu amigo de longas datas e mutchas aventuras de histórias em quadrinhos. Mhuahahahahaha!
Vestimos verde sem acerto prévio, porque ambos temos esperança num mundo melhor, onde não exista a radiação de Cobalto60. Caminhamos conversando animadamente sobre hábitos nerds, seriados enlatados americanos de humor politicamente incorreto, artes marciais, piadas, dinheiro, poder e prestígio (o chocolate). Foi realmente muito animada nossa andança pela orla. Ao final, escolhi uma vítima pessoa com cara de gentil para tirar nossa foto - um senhor calvo, que por coincidência havia assistido a uma das reportagens televisivas sobre a Dieta da Rede Social. Sem nenhuma habilidade no manuseio do iPhone, o velhinho disse que eu checasse a qualidade da foto, pois suas mãos tremiam com facilidade. Qual não foi a minha surpresa em perceber que a tremida "esticou" o frame na vertical, fazendo com que eu e meu voluntário da vez fôssemos retratados esbeltos como avatares-verdes. Adorei!!
Atividade física concluída com sucesso!! Foram 6,7 km de muita tiração de onda! Valeu, Bill!!!!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Retomei o gosto pela salada e me deliciei com uma super caprichada de camarão. No lanche, uma cartola light (sem açúcar).


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Chega um momento, na dieta, em que enjoamos da saladinha básica. Pelo menos comigo foi assim, uma mistura de tédio com falta de sabor. Para não comprometer demais a dieta, nos dias de fastio verde optei sempre por comer peixe ou frutos do mar, como alternativas menos nocivas, já que eu me recusei por semanas a comer mato. Mas hoje meu instinto herbívoro voltou com tudo - e eu caí de boca num pratão enorme de folhas com lâminas de maçã e uns parcos camarões miúdos. Mas valeu demais!

domingo, 27 de janeiro de 2013

Dia 83/365

A CAMINHADA

É chegada a hora de revelar-lhes um segredo: a razão de ter separado espaço na grade de agendamento com a legenda "reservado" não foi para ocultar a identidade de alguns voluntários desta Dieta da Rede Social que porventura estejam inseridos nos programas de proteção à testemunha, jurados de morte etc. Essa reserva justifica-se em razão do meu pleno gozo de férias, como um "refresco de horário" nesta minha proposta de caminhadas ininterruptas sob um rigor quase militar. Continuo caminhando, mas nesses dias reservados me dei ao luxo de escolher os horários e os caminhantes - ou melhor, convidar alguns amigos de supetão, seja por encontra-los involuntariamente pelo Recife (que é um ovo!), seja pela simples combinação de fatores como "estar no lugar certo, na hora exata". Alguns negaram o privilégio de furar a fila, como Ed Ruas. 
Foi assim que requisitei minha querida ex-discípula ontem, para encaixá-la na minha nova rotina desregulada. Eu sabia que ela morava relativamente próxima ao shopping onde deixei meus filhos num aniversário, e também que no fundo no fundo ela considera muitíssimo seu ex-mestre que tanto ama ela. Mhuahahahahaha.
Hoje o conveniente (pra mim) inconveniente (pro voluntário) convite de caminhada surgiu na visita-surpreeeeeesaaaa à casa do Tio Hiponcondríaco - ideia compartilhada por meu pai, minha Tia Louca, meu primo gigante e o voluntario de hoje, que é primo dos meus primos, mas legítimo merecedor do selo ISO9001 de Consumo de Pratos d'Os Insaciáveis: Pedro Landers, mas somente conhecido em nosso clã como "O RÉPTIL". 
Pós-adolescente de 19 anos, Réptil faz jus ao apelido por sua capacidade de regeneração celular do fígado, depois de incontáveis porres de cachaça, vodca, cerveja, uísque, vinho, conhaque, perfume etc. Também por sua incrível agilidade para a abordagem do sexo oposto, tal qual uma lagartixa, quando fica só fazendo sim com a cabeça até que a menina coma mosca e fique vulnerável ao bote. E, para finalizar sua descrição, eu não poderia deixar de mencionar sua inclinação nata para descansar ao sol, como uma iguana.
Réptil me contou suas aventuras, baladas, méritos e roubadas. Depois, falou um pouco sobre o curso de Engenharia Civil, planos para quando deixar de ser um liso etc. Como pai, educador e observador social, pude colher as impressões de Réptil sobre o mundo e posso atestar que ele é 75% feito de bondade. Mhuahahahahaha!!!!
Atividade física concluída com sucesso!!!! 7,7 km no Parque da Jaqueira. Valeu, Réptil!!!!




COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Chegar de surpresa na casa do Tio Hipocondríaco para almoçar é como precisar de um pedaço de linha e bater à porta da costureira. Dois caldeirões (juro! devia ter fotografado) contendo um guisadinho de bode e um chambaril, respectivamente. Fui no chamba, confiante nas verduras (principalmente o jerimum orgânico), com um arroz de espinafre orgânico para arrematar.
De sobremesa, uma inofensiva banana. À noite, sanduíche natural caseiro, com atum ralado, meia cenoura ralada, iogurte natural e azeite, com fatias de pão integral de "castanhas e grãos" (enquanto o resto da família ia de pizza mussarela com pastéis de Belém, bebendo coca-cola. Eu sei, meu bem, ninguém é perfeito e a vida é assim).


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Felizmente o singelo chambaril não teve pirão, o acompanhamento que é Top5 para qualquer gordinho que se preze. Eu já relatei, em textos passados, o meu amor pela farofa. Mas o pirão (de carne, peixe ou galinha) é também deveras apreciado por minha pessoa. Porém, não há razão para desejá-lo, estando de dieta, não é mesmo? Como bem disse a minha comentarista-padrão: no carnaval todo cuidado é pouco, com a alimentação.


sábado, 26 de janeiro de 2013

Dia 82/365

A CAMINHADA

De volta ao meu aconchego (família, Recife), dividi a atividade física em duas partes, à tarde e à noite, para pôr em pratica um experimento social que em muito pode contribuir com esta Dieta: a Caminhada Foliã. A idéia, que será opcional aos agendados nas caminhadas da semana do carnaval,  é acionar o gps do celular e simplesmente seguir para os focos de folia, escoltando gentilmente o(a) voluntário(a) da vez. Hoje pus em pratica a caminhada-piloto da versão "Foliã", seguindo o bloco Amantes de Glória, onde pude caminhar com muitos amigos e considerados (comecei a descreve-los neste texto, mas a lista era tão imensa que correria o risco de esquecer alguém, por isso deletei os nomes). O percurso foi curto, talvez uns parcos 500 metros, mas o fiz em grande parte do tempo com minha filhinha de 23 kg no braço. Ou seja, frevando com o peso equivalente ao de um garrafão de 20 lts de água.
O exercício momesco durou cerca de 1,5 hora, por isso devo ter queimado muitas calorias.
Às 20h levei meus filhos a um aniversário e caminhei uma boa distância no shopping. Depois, às 21h, fui caminhar "de fato" com a minha querida ex-discípula declarada Natália Raposo: jornalista (uêpa), maranhense (uêpa!), ativista de direitos "humanas" - ou seja, altamente feminista, embora negue veementemente ser lésbica (esse veementemente é muito suspeito, viu? Kkkkkkkkk) e árdua defensora das minorias. Conversamos sobre gastronomia maranhense, carnaval pernambucano e vida conjugal. Mhuahahaha!
Atividade física concluída com sucesso!!!  500 mts na folia (1,5 km, convertendo) + 500 mts dentro do shopping + 2,5 km da caminhada noturna + 500 mts ( deslocamentos até o carro para meus compromissos, totalizando cerca de 5 km ( com sensação térmica de cansaço triplicado).




COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje fui obrigado a encarar uma carne de sol em restaurante popular, com feijão verde, arroz branco e vinagrete. Não fui feliz, apesar de o feijão e o vinagrete estarem bem novinhos. A carne estava suculenta e oleosa. e foi assim que engordei. Por não possuir mais a vesícula biliar, a gordura da carne me fez ir duas vezes ao banheiro. E foi assim que eu emagreci.

VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Sem a vesícula, nosso organismo trabalha como se estivesse sob os efeitos de um xenical turbinado com lactobacilos vivos e laxantes intensos de activia sabor ameixa. Com certeza essa carne de sol não passou no controle de qualidade do meu estômago de Avestruz Master. Nunca mais hei de ousar.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Dia 81/365

A CAMINHADA

Eu não poderia esperar tratamento menos rígido na caminhada de hoje, afinal o voluntário é capitão da Polícia Militar de Pernambuco: Kléber Freitas, jaboatonense radicado em Caruaru, é meu ex-colega do Colégio Americano Batista (onde entramos burros e saímos artistas), nos idos de 1990 e 1991. Para botar 22 anos de conversa em dia, perambulamos pelas ruas do centro caruaruense, com direito a visita-relâmpago à famosa feira e também o desafiador e hercúleo trabalho de subir os 365 degraus do Monte Bom Jesus, recentemente pacificado pela tropa do meu camarada (antes da chegada da PM chamava-se "morro", agora é tão pacífico que se tornou "monte").
Aprendi tudo sobre como ingressar na força policial, algumas metodologias de trabalho, técnicas de abordagem etc. Depois dessa caminhada estou apto a ser um policial ou um bandido incapturável. Ainda não me decidi.  Kkkkkkk
Atividade física concluída com sucesso! Foram 8,49 km, incluindo a escalada até o monte (nas escadas existem painéis que reproduzem o calvário de Cristo, para que entendamos que subir escada não é nada, difícil é levar chicotada carregando a própria Cruz). Valeu, Capitão Freitas!!!






COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Que não há lugar melhor como nosso lar, todo mundo já sabe, mas no quesito gastronomia nada se compara à vida do interior. O inhame que comi no café-da-manhã não tem similar na capital. Tenho dito!

VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

E pensar que quando éramos pobres, na época do Americano Batista, tínhamos o maior zelo com o passe estudantil, para o ladrão não levar. Hoje, inaugurando uma nova bermuda sem bolsos, caminhei com o iPhone na mão, temendo que um larápio aparecesse em nosso caminho. Ao que meu amigo tranqüilizou: "se alguém levar, eu vou buscar depois. E encontro, nem se preocupe". Aí eu disse: "aí tu busca logo um iPhone 5, que esse 3GS tá ultrapassado". Mhuahaha!!!




quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Dia 80/365

A CAMINHADA

Hoje vim a Caruaru, cumprir uns agendamentos na capital do forró - e, de quebra, encaixei uma caminhada extra, razão pela qual estou escrevendo este texto somente às 22h30. Comecei minha maratona quase no crepúsculo, com a ativista política Louise Caroline e sua simpática mãe. Louise teve a brilhante idéia de propor que a caminhada fosse no Parque Ecológico Ambientalista Severino Montenegro, um espaço muito aconchegante. Conversamos sobre bons hábitos, família, filhos e migração, pois Dona Mamãe trocou Curitiba por Caruaru, há trinta anos. A conversa foi muito boa - e, nesse caso, durou pouco.
Atividade física concluída com sucesso! 3,2 km, para não forçar a coluna cervical de Dona Mamãe, que tem hérnia de disco.
Atividade física concluída com sucesso! Valeu Louise!!!!! Valeu, mãe de Louise!!!!


Mas nem pensem que acabou em 3 km o meu 80º dia de caminhada pela Dieta da Rede Social. À noite segui para a Avenida Portugal, com a verdadeira voluntária do dia (pois Louise foi um "encaixe"): Renata Queiroz, microempresária da indústria do emagrecimento (uêpa!!!), representante de uma famosa marca de shakes e chás à base de ervas da vida. Simpaticíssima, Renata apareceu para caminhar com mais dois amigos e me contou toda sua trajetória acadêmica (já concluiu mestrado) e profissional, no seu espaço de Vida Saudável. Torço para que ela prospere, pois tem garra e coragem para vencer. E assim, caminhei mais 4,1 km!
Atividade física concluída com sucesso!!!! 3 + 4 = 7 km no total!!! Valeu muito, Renata & friends!!!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje almocei com a voluntária do encaixe, mas sem a sua mãe - pois só nos conheceríamos horas depois. O menu foi saudável, com salada, peixe, arroz integral e suquinho de capim-santo com limão. No jantar, torradinhas integrais com cream cheese light.

VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

O suco de capim-santo com limão foi a agradável surpresa gastronômica do dia. Engraçado é que eu ia de abacaxi com gengibre, mas a velhinha do self-service insistiu para que eu experimentasse o capim-santo. Espero que além do sabor refrescante esse suco tenha propriedades medicinais. Agora, santo como sou, fiquei com medo de ter uma overdose de santidade. Vishh! Kkkkkkkkkkkk

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Dia 79/365

A CAMINHADA

Acreditem se quiser: o voluntário de hoje é meu irmão de sangue, filho da mesma mãe (a voluntária do Dia 63). Ei-lo: Válter Júnior, negociante (às vezes vendedor, às vezes empresário, mas sempre trabalhando e trabalhando!), malhador inveterado, apreciador das boas marcas, aventureiro, motociclista, divertido, simpático e desenrolado na oratória. Éramos três, mas com a perda da batalha da nossa irmã caçula para o câncer no ano passado, agora ele é meu único irmão. Seis anos mais velho do que eu, logo que balbuciei as primeiras palavras chamei-o de UA (minha irmã também adotou esse apelido a vida inteira), e assim ficou até hoje. Ua era o meu ídolo na infância, mas sempre se manteve a uma distância "segura" de não se apegar muito aos irmãos mais novos, talvez por ciúme ou pra não perder tempo com pirralhas (eu vejo meu filho mais velho fazendo isso com o irmão do meio, então acho que é coisa de irmão). Mesmo escanteado, eu desfrutei de suas ótimas performances "artísticas" em shows familiares para impressionar os parentes, geralmente nas festas natalinas, quando todos estavam presentes. Ele misturava seu lado aventureiro com o de motociclista e fazia manobras radicais com sua moto, na frente da casa da minha avó, para a euforia da vizinhança. Era o rei na manobra "Babalu", freando a moto até empinar verticalmente a traseira e depois girá-la 180 graus e estacioná-la no sentido contrário (a moto parecia desenhar um arco, no ar).  A galera aplaudia, vovó e mainha passavam mal, mas aí Ua soltava um "Uhúúú!!!" e saía pilotando por uns 300 metros com a roda dianteira empinada, enquanto a criançada delirava. Outra performance inesquecível aconteceu nos anos 1980's quando ele e meu tio caçula (um ano mais velho que ele, somente) foram para um aniversário "cabeça" em que viram pela primeira vez um grupo de gays dançando animadamente na pista de dança. Naquela época, em que os direitos e aceitação social dos  GLBT ainda engatinhavam, achávamos os gays engraçados e caricatos (culpa d'Os Trapalhões, que assim nos ensinaram). E então meu irmão adaptou a "Dança do Frango", imitando os passos que ele viu na festa. Era a coisa mais escrotamente engraçada que eu já vi na minha vida! tanto que os parentes sempre pediam para ele fazer a Dança do Frango nas confraternizações familiares. Tempo bom que não volta mais... Mhuahahahhahahaha.
Eu e meu irmão somos muito diferentes esteticamente (ele é índio, eu sou branco; ele é forte eu sou "forte"; ele pisa pra dentro (supinação), eu piso pra fora (pronação), mas trazemos no DNA (ou na convivência da infância, talvez) a característica de "ser a festa da festa". Ou seja, quando estamos numa farra, sabemos entreter a galera - cada um a seu modo, mas com a mesma risada.
Foi massa a caminhada de hoje por dois motivos: posso garantir-lhes que esse foi o nosso primeiro diálogo de uma hora ininterrupta, sem a intervenção de mainha. Eu falando com ele, ele me escutando e interagindo comigo, completamente focados um no outro. A outra coisa boa que percebi é que apesar de todas as nossas diferenças, agora na quase meia-idade para ambos (37-43) as distâncias estão mais curtas e já falamos a mesma língua.  
Atividade física concluída com uma sucessão de sucessos! 6,3 km na orla de Boa Viagem. E pra completar, ele ainda me presenteou com duas bermudas novas. Valeu, Ua!!! Ou melhor, valeu BROTHER!!!!!


 Bánhaceps e Bíceps, no calçadão de Boa Viagem.
Quem encontrar alguma semelhança, comente!

COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje comi a barrinha de proteína que a voluntária de ontem havia me dado. Energia que deu gosto!!!! Na volta, não resisti e repeti rigorosamente o café-da-manhã de ontem, com a cartola de banana comprida made in Barreiros. 



VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

De certa forma eu sempre entendi que meu irmão tinha uma vergonhazinha alheia da minha presença junto ao seu círculo de amigos porque eu sempre fui bem gordinho, enquanto ele e meus tios maternos (não são Os Insaciáveis, hein!) eram malhadores profissionais desde a adolescência. Eu lembro que o quintal de vovó era cheio de marombas, halteres, pesinhos, tatames. Mas enquanto meu irmão e meus tios malhavam, eu lia gibis e livros ou assistia televisão. E foi assim que eu engordei! kkkkkkkkkkk
Quando eu tinha uns 8 anos, ganhei uma Brandani Cross, a primeira bicicleta com amortecedores de molas, imitando os das motos. Ua pirou na bike e ficou mais meu amigo, para poder usá-la com meu consentimento. O problema é que a bicicleta tinha rodinhas, e para usá-la ele ia ter que me ensinar a andar sem rodinhas. Sua estratégia foi usar o medo, que move montanhas: Estávamos pedalando (eu na minha, ele na dele) pela calçada da Avenida Mascarenhas de Moraes, quando ele fez uma cara de terror e disse "eita porra, tem um ladrão vindo ali pra pegar tua bicicleta!!! a gente vai ter que pedalar bem rápido pra fugir!!!". Eu já estava quase começando a chorar quando ele sacou uma ferramenta do bolso e avisou que ia ter que retirar as rodinhas, senão a gente não ia conseguir escapar. Foram segundos de aflição em que não ousei olhar pra trás. E, sem rodinhas, ele disse "vou lhe dar um empurrão bem forte e você pedala sem parar até fugir do ladrão. Não caia!". E com aquele empurrão, começava ali a minha vida sobre duas rodas.
Um dia, Ua me levou para um passeio ciclístico que começava em Boa Viagem e terminava na praça do Derby. Foi um dos momentos mais felizes da minha infância, apesar de o passeio ciclístico ter nos deixado exaustos (principalmente a ele, que teve que puxar minha bike pelo guidom, porque eu já não tinha forças para pedalar, na volta pra casa). 



terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Dia 78/365

A CAMINHADA 

Quem diria que esta Dieta da Rede Social mobilizaria uma pessoa formada em química industrial para fazer uma "física social" comigo no Parque da Jaqueira!? Pois rolou exatamente esse paradoxal trocadalho linguístico na manhã de hoje, com a voluntária da vez:  Evelina Sá, mais uma telespectadora super gente fina que a Globo botou no meu caminho! Com Mestrado em Meio Ambiente, ela correu o mundo para se aperfeçoar nas sistemáticas de prevenção à mão poluidora do bicho homem, seja com o estudo do impacto ecológico do derramamento de óleo no mar, seja no diagnóstico e acompanhamento de projetos estruturadores em áreas especiais (como o Porto de Suape). 
E assim, graças à minha fértil imaginação, fui transportado mentalmente aos lugares onde Evelina fez suas capacitações: Japão, Londres, Tailândia, Suécia... com varias histórias de paisagens e sabores - em sua maioria diets.
Claro que quando chegou a minha vez de falar os papos versaram sobre família (ela também tem três filhos), vida saudável e uma pitadinha obrigatória de bom humor. Foi massa! Ao final, a simpaticíssima voluntária me presenteou com duas barrinhas de cereal sabor açaí, produzidas por essa empresa estampada na camiseta dela, para meus lanchinhos de hoje. 
Atividade física concluída com sucesso! Foram 6,7 km em ótima companhia!!! Muito obrigado, querida Evelina!





COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Às vezes este blog é feito de agradáveis coincidências. Às 5h45, prestes a sair de casa, não encarei as bananas-prata da fruteira, por achar que elas ainda apresentavam um tom amarelo-esverdeado (amanhã certamente estarão maduras). Assim, recorri a uma polpa de açaí e saí (só pra rimar). E vejam que coisa, ganhei barrinhas de açaí da minha voluntária! Na volta, com mais tempo, usei uma das  singelas bananas compridas made in Barreiros(PE) para uma caprichada "cartola" sem açúcar, mas com afeto, queijo de coalho e canela. Delícia!!! No almoço, levei a família ao shopping para um cineminha de férias e almocei risoto de frutos do mar, com direito a muitos tomates-cereja e alguns brócolis frescos.



VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Pela primeira vez em toda essa maratona físico-química (caminhada-dieta)  a que tenho me submetido, hoje fui acometido por uma dorzinha de cabeça às 12h30, segundos antes de encarar meu risoto. Quero crer que era apenas fome, pois tão logo tracei o meu prato a cefaléia foi aliviando. Mas devo procurar meu remedinho regulador de pressão arterial, só pra garantir. 

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Dia 77/365

A CAMINHADA

Demorou, mas conheci finalmente a leitora mais assídua e participativa deste blog, a profissional de Letras com fluência em Francês, Helena Amaral. Nosso encontro foi tão cabalístico que ocorreu no dia 77 e durou exatos 8,8 km! Se eu fosse supersticioso e dado a ilicitudes jogaria hoje mesmo no bicho a 25 centavos do 1º ao 5º prêmio na milhar 7788 e também a invertida 8877 (fica a dica!).
De cara a minha voluntária da vez me presenteou com uma palma de banana comprida, importada diretamente do município de Barreiros(PE), a terra da família do marido dela. Conversamos muito, sobre uma variedade de temas que foi da ioga ao pilates (categoria Vida Saudável); do jornalismo à medicina (trabalhos com horários exaustivos); de Barreiros a Canhotinho (hábitos do interior); das línguas às viagens (pelo mundo vasto mundo); e dos filhos às refeições em família (felicidade e lazer). Falamos tanto, tanto, tanto, que chegamos aos 8,8 km e ela ainda queria mais! Assim a senhora mata o gordinho! kkkkkkkkkk.
Atividade física concluída com sucesso!!! Valeu demais, Helena Amaral!!!


COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Agora que tenho meu suprimento semanal de banana comprida, só preciso me preocupar em comprar a canela. Mhuahahahaha. Após a malhação exagerada, me senti no direito de comer dois ovos fritos (uÊpa!!) de galinha de capoeira (do tamanho de um ovo de codorna, aviso logo) e três fatias de pão de centeio. Eu sei que parece um pouco exagerado, mas pensem que este homenzarrão que vos escreve pesa 12? kg (uhú!) e precisa repor as energias. 


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Confesso que hoje me incomodei com a foto, pois estou começando a me enxergar com o "shape" de tartaruga ninja, embora tenha a certeza de que o emagrecimento continua (pois é, tive que me pesar pra ter essa certeza! mas só divulgarei a pesagem oficial, daqui a 13 dias). Engraçado é que quando eu estava no auge da forma de bola, eu sempre me vi mais magro do que realmente não-era. Acho que nosso cérebro nos cega com um véu de auto-estima para que imaginemos sempre que a "silhueta não está tão mal assim". Do contrário não sairíamos à rua. Se Freud não explicasse isso, certamente Darwin explicaria. Mas aí, depois de começar a emagrecer de fato e passar pela fase da aceitação de elogios, agora me olho numa foto dessa e penso "eita, porra, estou re-engordando!". Ainda bem que foi só paranóia. kkkkkkk

domingo, 20 de janeiro de 2013

Dia 76/365

A CAMINHADA


"Quando fiz minha redução (de estômago), eu nunca pensei que um dia precisaria acordar às seis da manhã para caminhar. Só tu mesmo para me fazer estar aqui!". A declaração bombástica me fora jogada na cara, logo depois da saudação de bom dia, pela minha estimadíssima voluntária da vez: Silvana Araújo, servidora pública das 8h às 18h e nas horas vagas foliã-organizadora do bloco "Pisando na Jaca", troça que desfila com orquestra de rua pelo Poço da Panela (este ano será em 02/02, às 16h,  saindo  a partir da praça de Casa Forte) reunindo pesquisadores, historiadores, museólogos, artistas plásticos, arquitetos, designers e toda uma gama de gente cabeça, mas com dinheiro. Kkkkkkkkkk. O bloco é dedicado às gordinhas, e penso que a musa-personagem que estampa o estandarte e as camisas teve um pouco de inspiração em Silvana, que sempre foi fofinha até um passado ainda recente, quando se submeteu à ajudinha da ciência. Dona de uma gargalhada contagiante, é a prova viva de que a alegria não é retirada junto com o estômago (como eu sempre pensei, erroneamente). E assim, nossa andança foi coroada com risadagens mil, incentivo ao meu projeto, momento importante de auto-crítica (pra ela, pela necessidade de uma atividade física regular, para se sentir melhor e mais bem disposta) e vários boletins ao vivo da "radio-corredor", a intranet presencial e extra-oficial dos colegas de trabalho. Mhuahahahahaha!!!
Atividade fisica concluída com sucesso!!! Caminhamos 6,4 km sem sentir!!! Valeu demais, Silvana!! 



Contra o vento, minha silhueta foi realçada no alto relevo. 
Mas as pernas estão magras, vejam!


Lá pelas 10h30, aluguei uma bike do Portoleve.org e levei minha filhinha ao Parque 13 de Maio, para ver os macaquinhos, araras, patos e tartarugas. Foi massa.





COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?


Hoje foi um dia especial, gastronomicamente falando, pois fui para a beira do fogão para preparar um delicioso e modesto almoço: salmão ao forno em cama de tomates-cereja, cebolas, alcaparras e cogumelos; arroz branco e um suculento e quase-magro purê de cará sem alho, o popular inhame. Delícia!!!


Cadê o salmão que estava aqui? O Garfield comeu!!!



VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...


De tempos em tempos, quando Júpiter fica visível a olho nu a partir da constelação de Capricórnio, eu compro um salmãozinho para preparar em casa. A conjuntura astral ideal aconteceu na semana passada, mas lamentavelmente não respeitaram o salmão alheio guardadinho no congelador da geladeira e o prepararam da pior forma possível, empapuçado em um litro de óleo - inviabilizando qualquer chance de dieta. Remoí minha mágoa durante vários dias e finalmente tive a oportunidade de preparar a iguaria, com um novo e imaculado salmão comprado pela minha mulher para compensar o equívoco próximo passado. Rico em ômega3, é a proteína ideal para oxigenar meu coração. Agora o soninho está chegando, para desacelerar meu metabolismo. É fogo!!

sábado, 19 de janeiro de 2013

Dia 75/365

A CAMINHADA

Acho que o voluntário de hoje nem se lembrava que estava agendado, mas como era um convidado especial deste blogueiro que vos escreve, nesse caso a montanha foi até Maomé, sem problemas. E assim, encontrei meu querido amigo Robert Fabisak, o Bobby: fotógrafo formado em jornalismo, uma criatura tão pura e inocente que tem a peculiaridade de falar tudo no diminutivo. Para Bobby não existe tempo ruim (é, no máximo, ruinzinho) porque ele faz jus à semelhança com o crucificado que entoa a canção "Olhe Sempre Pro Lado Bom da Vida", no filme clássico de comédia inglesa 'Monty Pyton: A vida de Brian' ( uma paródia com a vida de Cristo). Por isso o mundo pela lente de Bobby é sempre bonzinho, bonitinho, legalzinho, humanozinho. Inclusive na correriazinha diária do jornalzinho onde ele faz seu trabalhinho cumprindo pautinhas.
Começamos nossa caminhada às 8h, com uma hora de atraso (mas passei meu protetor solar, hein!), a partir do lar de Bobby, nas imediações da Rua Mamanguape, em Boa Viagem, cruzando a Domingos Ferreira, Conselheiro Aguiar e Navegantes, até chegar à orla. Conversamos sobre educação dos filhos (ele também tem três!), saúde, bons hábitos, pouca comida, vida conjugal sexualmente ativa (tanto a dele quanto a minha!), família, trabalho e lazer. Quando regressamos à casa dele, fez questão de declarar à esposa (beijo, Ana Paula!) que estava em forma, aliás, "sempre em forma". Kkkkkkkk.
Atividade física concluída com sucesso! Uma "caminhadazinha" de 6,3 km na companhia do meu melhor amigo de todos os tempos. Valeu, Bobby!!!


COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Antes de ir ao encontro do meu voluntário de hoje, dei uma passadinha no lar do meu Tio Hipocondríaco, para contar umas novidades. Lá, tomei dois singelos copos de suco de goiaba, para desentalar a banana que comi às pressas, em casa. Depois da caminhadinha, já na casa de Bobby, fui agraciado por um suco de laranja feito à mão pelo meu anfitrião, e uma rodela de abacaxi. No almoço, um franguinho assado com ricota e espinafre, sob cama de arroz de cenoura e um purezinho de cará sem alho.

VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...


Eu estou para um baobá assim como Bobby está para um graveto de bonsai. Mas, apesar da diferença estética, nossa afinidade desafia a lógica social. Posso garantir que a vida imitou a arte, pois somos tão ligados como o Gordo e o Magro - só que eu não o espanco. Em outros aspectos tambem somos antagônicos - eu, racional e flexível; ele, emocional e cabeça-dura. Nossa amizade vem desde 1993, quando entramos na mesma turma de jornalismo, na Universidade Capitalista Graças a Deus. Antes de encontrar seu caminho profissional junto à fotografia, Bobby fez o que pode para ganhar dinheiro e sustentar sua primeira filhinha, ainda no comecinho do curso: já foi professor de inglês, emissor de passagem aérea, vendedor de sanduíche natural, recepcionista de hotel - ou seja, um trabalhador super disposto, sem medo de ralar. Um dia, o destino acenou com um emprego de fotojornalista na Folha de Pernambuco e a partir daí ele só ascendeu, com prêmios e reconhecimento público. Tenho muito orgulho do meu melhor amigo. Sempre que tive um problema emocional, irracional ou psicossocial, pude contar com Bobby para me salvar. Nem que fosse só um conselho placebo, do tipo "Não se preocupe, vai dar uma melhoradinha!".

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Dia 74/365

A CAMINHADA

O fotógrafo Rodrigo Lobo desacelerou de suas corridinhas habituais para me acompanhar na 74ª caminhada desta Dieta da Rede Social. Como este é o segundo retratista a dar o ar da graça por aqui, aproveito a oportunidade para usar a minha própria definição de fotógrafo,  que esqueci de fazer no texto com o 49º voluntário, inventada desde a época em que o trabalho deles era artesanal, com muito mais "química" - tanto na prática quanto metaforicamente falando. Mhuahahaha. Ei-la (a definição): "fotografar é a arte de saber abrir o diafragma sem queimar o filme". Agora, basta apertar um botão e depois corrigir no Photoshop as falhas de iluminação e contraste, ou ainda fazer um ajuste no quadro (corte) se precisar. kkkkkkk. Brincadeira, galera! Eu adoro fotografia e admiro bastante meus 116 amigos fotógrafos (todos TOPs de linha, como aquele do dia 49 e este que andou comigo hoje - eita, amanhã tem mais um). 
E assim, lá estávamos nós, eu e Rodrigo, caminhando animadamente no Parque da Jaqueira, conversando sobre luz, enquadramento, pontos de vista, arte, tripé (uêpa!) - enfim, o dia-a-dia de quem vive "la vida loka" no corre-corre do jornal.  Os papos foram tão bons que ele não acreditou que já havíamos terminado as sete voltas, totalizando 6,5 km. 
Atividade física concluída com sucesso!!! Valeu, meu brother!!! Se tu não tivesse ido de boné eu ia Photochapar uma cabeleira vasta na tua cabeça, pra te considerar!!!!




COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?


No pit-stop habitual no lar do Tio Hipocondríaco, entrei abaixadinho no melão e na maçã orgânica - cometendo a insensatez de descascar a maçã, segundo meu primo "Sprito". Porém, expliquei que essa é uma defesa minha para o Cobalto60. Mhuahahahaha. Ah, para arrematar, um cafezinho com leite e adoçante, acompanhado por seis bolachas integrais com um pouco de "creme de ricota sabor ricota (sic)" da marca Regina. Se engordei e me f..., o importante é que emoções eu vivi.


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Com a popularização das redes sociais e dos smartphones, qualquer um é fotógrafo hoje em dia. Por isso, fazer dieta e ter vida social "nas nuvens" é um sacrifício enorme, pois a todo momento somos bombardeado por imagens de pratos suculentos no café, almoço e jantar. Ah, esqueci dos lanches, brunches, chás da tarde e mastigações involuntárias ao longo do dia - tudo devidamente registrado com filtros especiais para nos fazer comer com os olhos. Bloqueio tudo, mentalmente, colocando as mãos nos ouvidos e fechando os olhos enquanto aperto F5 com meu nariz para dar um reload na página.  

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Dia 73/365

A CAMINHADA


O voluntário desta quinta-feira de tempo parcialmente nublado na cidade do Recife foi o empresário da construção civil Francisco Sampaio, que mora na Zona Sul mas me encontrou pontualmente às 5h55 na entrada do Parque da Jaqueira para uma intensa caminhada de 6,5 km em uma hora. Sampaio é o pai do marido da minha cunhada, por isso já nos conhecemos de outros carnavais. Chegado naquela água-que-passarinho-não-bebe, viveu 54 anos entre boas farras etílico-gastronômicas, mas um certo dia resolveu mudar e fazer tudo que ele não queria fazer. Emagreceu 28 quilos em um ano, entregando-se basicamente às caminhadas diárias e uma grande reeducação alimentar - estilo de vida que adotou com uma ajudinha nada barata de um Spa urbano, onde passa a maioria dos seus finais de semana, desde então. E assim, conversamos sobre amenidades, vida saudável, natação, prestação de serviços, projetos em andamento, prosperidade, praças, flats... biritas (assunto que ele domina) e tira-gosto - provocação minha, claro. No finalzinho foi praticamente uma conversa de bar. 
Atividade física concluída com sucesso! 6,5 km no Parque da Jaqueira!!! Valeu, Sampaio!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Cheguei cedo hoje à casa do Tio Hipocondríaco, mas para minha surpresa ele havia saído mais cedo ainda. Botei o assunto em dia com meus primos (ex-voluntários desta Dieta da Rede Social) enquanto degustei algumas frutas orgânicas e geladas. 


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Um cachaceiro profissional uma vez me contou, há muuuuito tempo, que "a bebida não engorda. O que lasca o indivíduo é o danado do tira-gosto". Por essa falácia, é relativamente fácil seguir uma dieta e manter alguns maus hábitos super recomendáveis (para a mente, senão ninguém agüenta esse rojão!), desde que obedeçamos a razão na hora de petiscar. O certo mesmo seria já chegar no bar comido (uêpa!!!), depois de um jantar diet/equilibrado em casa, e evitar radicalmente ingerir alguma coisa que não seja líquida, no boteco. Claro que é preciso beber com moderação para seguir essa receita, senão você esquece até quem é, e também que estava fazendo regime. Mhuahahahahhaa.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Dia 72/365

A CAMINHADA

A voluntária da vez foi a jornalista Ellen Cocino, minha amiguinha desde 2005 (quando ela ainda era adolescente), dos bons tempos da Cultura Inglesa de Piedade, quando compartilhávamos a turma com a saudosa teacher Camila. De lá pra cá muitas águas rolaram, mas nunca perdemos completamente o contato, pois Ellen sempre recorreu a mim como consultor para assuntos profissionais (o que posso fazer se tenho essa vocação inata para mestre? mhuahahahaha). Ela quis fazer jornalismo e perguntou a minha opinião. Apoiei, com a ressalva de que "o jornalismo abre seus horizontes. O problema é que  a partir daí você vai enxergar um mundo muito melhor, fora do jornalismo". Depois, foi fazer intercâmbio no Canadá e estava receosa em atrasar seu curso. Então eu disse: "você pode passar o tempo que for longe do Recife, e quando voltar tudo estará exatamente do mesmo jeito, mas você estará melhor". Mais recentemente, pediu uma sugestão para o título do seu projeto de conclusão de curso - um vídeo sobre a difícil separação dos bebês que nascem nos presídios femininos, que só podem ficar com suas mães durante os seis primeiros meses de vida. Minha sugestão foi 'ventre-livre', mas o grupo dela preferiu 'berço de ferro', porque o meu título "podia fazer referência à prisão de ventre", nas palavras do grupo (kkkkkkkkkkkkkkk!!! como diria Raul Seixas: "falta-lhes cultura pra cuspir nessa escultura"). 
Nossa caminhada foi permeada pelos papos de vida saudável. Ellen diz ser especialista em dietas, pois tem tendência para engordar, por isso malha e corre diariamente enquanto não arruma um marido (mas já tem namorado fixo há dois anos). Ao final, ela me presenteou com três barrinhas de cereais: gergelim, banana e amendoim (proteína). Como minha voluntária tinha um compromisso inadiável, caminhamos juntos apenas 5 km. O quilômetro extra eu fiz em companhia de uma lenda do jornalismo, Roberto Tavares, que encontrei por acaso no calçadão de Boa Viagem.
Atividade física concluída com sucesso! 6,3 km no total! Valeu, Ellen!!!!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Na volta ao lar, depois da malhação, me deparei com duas opções para o café-da-manhã: cuscuz ou inhame. Quem me conhece sabe a minha preferência! Fritei (uêpaaaa!!!!) dois ovos para acompanhar e, pela primeira vez em 72 dias de sacrifício, tomei café-com-leite. 


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

As barrinhas de cereais se popularizaram nos anos 1990, pegando carona na onda diet. Em verdade, algumas são apenas light, o que significa que "engordam menos" do que uma versão "normal", mas engordam. Onde já se viu uma coisinha que leva chocolate ser diet? O fato é que por algum tempo também fui viciado em barrinhas - no caso, as achocolatadas - sem a menor pretensão de emagrecer por causa disso. Adorava a de morango com chocolate, a de avelã com chocolate e a de Neston. E foi assim que eu engordei. Mhuahahahahahaa.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Dia 71/365

A CAMINHADA


A voluntária de hoje calha de ser a BFF (best friend forever) de "Primo", o voluntário de ontem - até nisso eles são quase siameses, com agendamentos sincronizados. Raphaela De Paula Pimentel, ou simplesmente Rapha, Raphilda e até Monstra (podia ser pior, ...riga). Jornalista (uêpa!), filha de neurologista (Uêpaa!) e amiga de piloto de avião (UÊPAAA!), ou seja, é uma pessoa de mente aberta. Mhuahahaha! Estereótipos a parte, Rapha é uma excelente companhia, com papos lúcidos e edificantes. Tem um alto-astral natural e contagiante, que fez com que nossa caminhada fosse muito prazerosa pelas ruas do Poço da Panela e o recém-mal acabado Parque de Santana. Mas nossa caminhada também teve momentos de aflição (presenciamos uma tentativa de estupro canino, com uma matilha de uns 20 machos para uma franzina fêmea), de inveja (dos casarões do Poço), de venenos (principalmente quando o assunto era "Primo") e de troca de experiências, já que ambos temos crianças de 9 anos. O tempo voou enquanto andamos 6,45 km.    
Atividade física concluída com sucesso! Valeu muitíssimo, querida Raphaela!!!

Cabelo molhado, roupa social e batom vivíssimo? calma, gente, nós tínhamos esquecido de tirar a foto 
e marcamos um encontro pós-malhação/ pré-trabalho para corrigir essa falha grave (é a terceira vez!). 


COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Ainda que paire a suspeita de que eu tomei banho na casa de Rapha e depois "comi por lá", em verdade vos digo que estive novamente no lar do Tio Hipocondríaco, onde aproveitei sua mesa de frutas orgânicas e comi abacaxi, banana cozida e vitamina de mamão. Apesar de não ter testemunhas à mesa, deixei intactas as torradas, o requeijão e um tostex pronto. Isso é, se eu tiver ido mesmo lá. Mhuahahahahaha!


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Hoje eu matei a saudade de uma iguaria que durante muito tempo também fez minha cabeça: a boa e velha vitamina. Bem, essa de hoje, preparada provavelmente pelo Tio Hipocondríaco (pelas condições em que encontrei o copo do liquidificador e umas gotas na mesa), era de banana com mamão - uma versão muito mais light do que a vitamina que eu costumava fazer na minha infância e adolescência. Eu comprava um pacote de "rosquinhas de coco Mirabel" e batia no liquidificador com leite e nescau. E foi assim que eu engordei. kkkkkkkkkkkkkkkk.


segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Dia 70/365

A CAMINHADA

Se toda segunda-feira começasse no alto-astral que rolou hoje, acho que meus domingos seriam somente de festa e expectativa. Mhuahahahaha. Pois bem, o voluntário da vez foi o jornalista super-limpeza João Henriques, o "Primo". Calma, Beth, não temos nenhum parentesco. Ele ganhou esse apelido porque tem o mau costume de chamar os amigos mais chegados de "primo", como se fosse uma gíria pessoal. Lembro que uma vez fui visitá-lo na Primolândia (o flat muito massa onde ele mora, no Parnamirim) e inventei de tirar uma ondinha com o porteiro: "diga a ele que é Mandrey, o primo dele". Ao que o porteiro sorriu maliciosamente e disse apenas "ceeerto". Estudamos jornalismo juntos, por isso nossa amizade passa de 15 anos tranquilamente. A poucos dias da formatura, eu peguei conjuntivite e adivinhem para quem eu passei a doença? Pois é, Primo! Até hoje a mãe dele me culpa pelos olhos vermelhos nas fotos (Uêpa!!!!).
Hoje Primo estava instigadíssimo para caminhar e me passar altas dicas de alimentação saudável, já que mantém bons hábitos há décadas, como não comer carne vermelha - a não ser que ela fale "mim, Papa-Capim; tu, Primo". Pra começar, ele ficou frustradíssimo porque não fora o voluntário número 69. Não perguntei porque.
Ele me explicou que a atividade física é importante, mas a consciência na hora da alimentação é muito mais. Trocamos altas figurinhas, falando sobre viagens espetaculares (Primo foi tripulante de cruzeiros chiquérrimos dentro e fora do Brasil), e também sobre a família - abro espaço para mandar um grande abraço para o Senhor Wonka (o pai dele, que é a cara de Gene Wilder) e também à sua mãe, Dona Lúcia, que sempre me oferece um suquinho de cajá.
Primo nasceu com o bumbum virado para a lua, pois já escapou da morte certa duas vezes: numa tentativa de assalto em que levou três tiros no peito; e quando pegou uma bactéria no pulmão que o deixou quase 1 mês numa UTI. O fato é que se Deus quer tanto bem a Primo, quem somos nós para querer-lhe mal? Mhuahahahaha.
Atividade física concluída com sucesso!!!! 6,7 km caminhano reto! Valeu, Primo!!!


Antes e depois da malhação! 
   
Primo devia ter feito o "V" (da vitória, claro! Mhuahahaha)


COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje comi bananas cozidas (compridas) e mamão papaya orgânico, do tamanho de uma pêra. Pois é, retomei o hábito de fazer o pit-stop no lar de Tio Hipocondríaco. Mas o preço do café-da-manhã foi o bullying bombástico, quando ele informou que minha silhueta está um pouco maior do que a última vez que nos vimos (justamente no fatídico ano-novo d'Os Insaciáveis). Expliquei que ainda estou vestindo as roupas antigas, do auge do peso, embora folgadas. E só então saquei a sua estratégia psicológica. Tio Hipocondríaco revelou que está pesando 112 quilos e que vai intensificar bastante a sua própria dieta "se" (eu prefiro "quando") eu atingir os 115 kg, para que eu nunca lhe passe, no ranking ao contrário. 


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

Primo tentou me convencer a não comer carne vermelha, explicando todo o potencial destrutivo e não-digerível deste alimento. Perguntei como substituir tão deliciosa iguaria, sem perder o direito aos prazeres da carne. E Primo simplesmente sugeriu: "Coma mais frango". Ceeerto.


domingo, 13 de janeiro de 2013

Dia 69/365

A CAMINHADA

A jornalista Ana Paula Viana queria caminhar, mas foi forçada pela mãe natureza a praticamente nadar na pista de cooper do Parque da Jaqueira, tamanha era a quantidade de chuva que caiu na manhã de hoje. Mas  a voluntária da vez nem se importou, pois já havia trocado mensagens comigo uma hora antes, sabia que estava chovendo e mesmo assim apareceu sem guarda-chuva. Dividimos o meu velho de guerra, que está semi-quebrado (quebrado, mas ainda funcional). E então fomos aos papos: Incrível como essa menina estava desatualizada dos babados do meio jornalístico, pois tive que contar uns 150 anos de retrospectiva. Também pudera, seu lazer nos últimos anos era velejar pelo Brasil, vendo baleias em Abrolhos (cerca de 70 de uma vez, segundo ela, potencializando em dez vezes a velha conta do mentiroso - que é sete, "segundo estudos divulgados"). #acho uma onda a informação 'científica' de algumas informações que vejo no meio publicitário e às vezes até na mídia, do tipo "estudos comprovam que blábláblá...". Que estudos? kkkkkk #
E assim, ela me contou suas viagens, experiências maravilhosas, outras aterrorizantes (tempestade do mar) etc. Apesar do desconforto da chuva torrencial, andamos praticamente 6 km (eu andei um pouquinho mais, do carro para o parque, na ida e na volta).
Atividade física concluída com sucesso!!!!!  6, 75 km com 3 cm de água no chão. Com mentira e tudo! Valeu demais, Ana Paula!!!!!!!!



COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?

Hoje resolvi inovar. Em vez de duas bananas-prata, optei por um pacotinho pequeno de banana-passa (ou, desidratadas, se preferir). Parece que eu estava prevendo que ia me hidratar bastante, pois o equilíbrio foi perfeito!



VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...


Eu tive uma fase de affair com a banana-passa, em alguma das milhares de dietas do passado. Lembro que comia a banana-passa o tempo inteiro, em casa, na escola, pela rua. Aí depois passei a abusar da iguaria, misturando-a com creme de leite, sorvete. Realmente eu sempre tive umas ideias fixas em relação à comida, em vários momento da minha vida. Sempre que tinha muita vontade de comer algo, passava semanas repetindo o prato até enjoar para sempre. Ou seja, vivi intensamente a paixão por vários alimentos, ao ponto de não precisar comê-los nunca mais nesta encarnação. Foi assim com o Salmão Ricota do Villa, a pizza de frango catupiry da Barazzone etc. Eu era assim, tão passional! Mas como disse aquele psicólogo amigo Eu: "a culpa é sempre dos pais".  Mhuahahahahaha!

sábado, 12 de janeiro de 2013

Dia 68/365

A CAMINHADA

A voluntária de hoje me veio com uma ideia inovadora: caminhar até o bairro do Recife Antigo e lá, testar o serviço de aluguel de bikes do Porto Leve, recém-implantado na Veneza Brasileira (mas que ela já conhecia de suas andanças pela outra Cidade Maravilhosa, o Rio de Janeiro). E assim, pontualmente às 16h16, fui buscar na porta de casa a queridíssima acompanhante da vez: Iara Lima, super jornalista desenroladérrima. Saímos andando pela Rua do Lima (a dois quarteirões de minha morada), seguindo pela Rua da Aurora, Palácio do Campo das Princesas, Ponte Maurício de Nassau, Cais do Apolo, Marco Zero, Rua da Moeda, Rua Tomazina, Avenida Marquês de Olinda e Rio Branco. Foram 4 km de muita fofoca, com direito duas declarações bombásticas de Iara. Uma delas: "amanhã eu sei que vou ter raiva, porque estou rindo muito!" e a outra foi a resposta para a pergunta que não queria calar: "Afinal, quem matou Odete Roitman?". Assistam mais o Canal Viva, que vocês descobrem.
Em frente ao Bandepe, no Cais do Apolo, retiramos nossas bikes do bicicletário e saímos zigue-zagueando sem rumo pelas ruas históricas do Bairro do Recife, Praça do Arsenal, Prefeitura, Forte do Brum, Ponte Limoeiro, Rua da Aurora, Avenida Mário Melo, a rua da Secretaria de Desenvolvimento Social (que sempre esqueço o nome) e novamente a Rua do Lima, onde calha de existir uma estação-bicicletário. Devolvemos ali as nossas bikes e conferimos no GPS a façanha: 3 km sobre duas rodas. Estou pensando seriamente em adotar essas pedaladas de fim de semana para complementar minhas andanças.
Atividade física concluída com sucesso!!!! 4 km a pé + 3 km de bike, ou seja, 7 km de malhação!!!!!!! Valeu, querida Iara!!!!  





COMO ANDA A ALIMENTAÇÃO?


Hoje a novidade foi almoçar no Capitão Lima, onde degustei camarões com arroz integral e uma iguaria cheia de grãos e verdurinhas picadas e tal. Bem, acho que foi light. 


VOCÊ NÃO SABE OS PASSOS QUE DEI PRA CHEGAR ATÉ AQUI...

"Pedalando, pedalando, pedalando com a Caloi. Pedalando, pedalando, a poupança nunca dói", já mentiam Os Trapalhões na minha infância, para vender bicicletas. Mas, apesar dessa falácia, pedalar realmente é um exercício muito prazeroso e chegou a ser meu meio de transporte no último semestre do curso de jornalismo, na Universidade Capitalista Graças a Deus, onde estudei. Eu saía do terminal do ônibus "Torre", que por acaso ficava no bairro do Cordeiro (hoje é na Iputinga, mais longe ainda!) e seguia até o bairro da Boa Vista, na minha bike vermelha. Como eu era amicíssimo de Leozão, o dono do saudoso Salabar, deixava a bicicleta no boteco, assistia as aulas e depois passava lá, tomava a saideira e pedalava como nunca de volta pra casa. Até emagreci um bocado nessa época, mas um certo dia, debaixo de uma chuva torrencial, caí em um bueiro, perdi meus óculos, empenei a roda dianteira e fiquei cheio de escoriações. Ali, o destino me empurrava novamente para a vida sedentária. Mas agora eu hei de vencer, afinal, essas bikes alugadas têm seguro. Mhuahahahaha!